Pesquisar no blog

segunda-feira, 22 de maio de 2017

DESMATAMENTO E DESERTIFICAÇÃO



A redução de grandes florestas em consequência de corte ou queimadas leva à perda de muitas espécies animais e vegetais, em decorrência disso, há um empobrecimento da biodiversidade. A formação de desertos elimina a vida de milhares de seres vivos, visto que modifica radicalmente o ecossistema da região afetada. A desertificação também favorece o processo de erosão do solo, pois as plantas e árvores não existem mais para "segurar" o solo.




DESMATAMENTO
Consiste no processo contínuo de remoção da vegetação superficial de uma determinada área, sendo, por vezes, chamado de desflorestamento. Uma retirada aleatória e esporádica de uma árvore no meio de uma vasta floresta não pode ser considerada desmatamento, pois, nesse caso, a floresta continua existindo e mantém-se em equilíbrio. O grande problema é quando uma área considerável é removida. Considera-se, atualmente, o desmatamento como um dos principais impactos ambientais gerados pelas atividades humanas, pois interfere no equilíbrio natural da natureza, trazendo impactos para a atmosfera, biosfera, litosfera e hidrosfera. Remover a vegetação, mais do que simplesmente derrubar árvores, é diminuir ou extinguir o habitat de diferentes espécies, desproteger o solo e também gerar impactos sobre os cursos d'água.
Dentre as consequências do desmatamento, podemos citar:
  1. A exposição do solo aos agentes intempéricos, o que eleva os casos de erosão e, em regiões de clima árido e semiárido, até a intensificação do processo de desertificação;
  2. Extinção de espécies, sobretudo as chamadas endêmicas, que se restringem a uma área espacialmente limitada. Para essas espécies, as florestas são habitat e fonte de alimento, de forma que a sua retirada descontrolada pode gerar um grande prejuízo ambiental.
  3. Alteração ou até extinção de cursos d'água, que dependem das florestas para o controle do assoreamento de seus leitos e também para a manutenção de suas margens, evitando ou diminuindo os casos de erosão fluvial. Sem as florestas, muitas nascentes deixam de existir e muitos rios ficam comprometidos.
  4. Problemas climáticos, haja vista que muitas florestas emitem uma grande quantidade de umidade para a atmosfera, de forma que a sua retirada acarreta menores quantidades de chuva e interferência nas médias de temperatura em várias outras regiões que costumam receber essa umidade. Há indícios de que o aumento do desmatamento seja um dos principais fatores responsáveis pelo Aquecimento Global.
  5. Impactos econômicos sociais negativos sobre as populações tradicionais(índios, quilombolas, ribeirinhos, seringueiros).
  6. Especulação imobiliária
 
DESERTIFICAÇÃO
A redução da vegetação e da capacidade produtiva do solo caracteriza o fenômeno da desertificação. O seu desenvolvimento é mais propício em regiões áridas, semiáridas e subúmidas, podendo ser desencadeado por fatores naturais (variações climáticas) ou pela ação humana. A realização de atividades de forma insustentável na terra é o principal responsável por tal ocorrência.
A desertificação provoca três tipos de impactos:
  • Ambientais,
  • Sociais
  • Econômicos.
Os impactos ambientais correspondem a destruição da fauna e da flora, redução significativa da possibilidade de recursos hídricos e perda física e química dos solos. Esses impactos ambientais provocam uma perda significativa da capacidade produtiva (econômico), provocando mudanças sociais, como as migrações, que desestruturam as famílias e acarretam em sérios impactos as zonas urbanas, para onde se deslocam as pessoas em busca de melhores condições de vida. Os moradores, agricultores e criadores de gado geralmente abandonam as áreas que sofrem de desertificação e vão procurar outro lugar para viver. O principal fator que incide no aumento da desertificação é a utilização inadequada do solo por meio das atividades humanas. Os intensos desmatamentos, mineração, expansão da agropecuária, irrigação mal planejada, entre outros, contribuem para a perda de substâncias do solo. Essas atividades levam à redução da cobertura vegetal, surgimento de terrenos arenosos, perda de água do subsolo e à erosão eólica.

As consequências são desastrosas:
  •  No solo ocorre a intensificação do processo erosivo(físico)e do processo de salinização (químico);
  • Redução da disponibilidade geohídricas (águas subterrâneas);
  • Perda da biodiversidade;
  • Redução das terras agricultáveis;
  • Redução da produção agrícola;
  • Desenvolvimento de fluxos migratórios;
  • Inchaço das cidades devido ao êxodo rural;
  • Diminuição da qualidade de vida.
Por esse motivo, é importante intensificar as políticas de combate e controle do desmatamento, criminalizando mais enfaticamente o processo de retirada ilegal de madeira, ampliando a fiscalização e melhorando os sistemas de vigilância. Além disso, o reaproveitamento de produtos feitos de madeira ou a substituição dessa matéria-prima por outros tipos, reduzindo o consumo, também são formas de solucionar esse problema.

 
Referências 

http://www.suapesquisa.com 
http://www.mundoeducacao.bol.uol.com.br 
http://guiadoestudante.abril.com.br/estudo/resumo-de-geografia-desertificacao
http://www.angelfire.com
http://acervo.novaescola.org.br/geografia/ 
Postar um comentário